Saúde promove capacitação para aplicadores de vacina "pfizer" contra covid-19

A Secretaria Municipal de Saúde realizou uma reunião com equipes de imunização do município para capacitar os profissionais quanto ao uso da vacina da Pfizer contra o coronavírus. A capacitação ocorreu no município, nesta terça-feira, 10, e contou com a presença de enfermeiros, vacinadores, Coordenador Municipal de Imunização e Responsável pela Atenção Básica Municipal.


O treinamento específico para a vacina da Pfizer é necessário por essas doses terem características específicas e diferenciadas de armazenamento, manuseio e aplicação.


Segundo o coordenador de vacinação municipal, a utilização da Pfizer na campanha é um desafio. “É um esforço que estamos realizando para colocar a Pfizer em todas as UBS, pois trata-se de uma vacina diferenciada pelas questões de temperatura e diluição”, explica. “Por isso fazemos questão de chamar todos os profissionais envolvidos para a capacitação e que a informação que passamos para esses gestores chegue às equipes de vacinação”, acrescentou.


Para se ter uma noção, a farmacêutica orienta que os prazos de armazenamento e utilização de suas doses devem ser refrigeradas (entre 2°C e 8°C). Nesta temperatura, as doses podem ficar por até cinco dias (120 horas). Por essa limitação, a orientação é agendamento prévio das pessoas a serem imunizadas. Da mesma forma, não é recomendada a estratégia de vacinação fora de Unidades Básicas de Saúde, como em drive-thru, por exemplo. Na sala da vacina, após o frasco ser tirado do refrigerador e diluído, as doses dever ser aplicadas em até seis horas.


Informações sobre as doses da Pfizer


– Podem vir rotuladas como Pfizer-BioNTech, se produzidas na Bélgica, ou Comirnaty, que é o nome comercial usado na fábrica dos Estados Unidos. A vacina será distribuída no Brasil apenas com embalagem em inglês, mas a empresa dispõe de um site em português com conteúdos voltados para profissionais de saúde (comirnatyeducation.com.br).


– Cada frasco tem capacidade para seis doses. Ele vem com 0,45 mL do produto, que para a aplicação precisa de diluição de mais 1,8 mL de soro fisiológico.


– É uma vacina do tipo RNA mensageiro (mRNA), ou seja, usa parte de uma sequência do código genético do vírus como se fosse uma “receita” para o organismo produzir anticorpos.


– Estudos clínicos comprovaram uma taxa de eficácia de 95% após as duas doses.


– No Brasil, a orientação do Ministério da Saúde é de um intervalo de 12 semanas (cerca de três meses) entre a primeira e segunda doses.


– Reações adversas mais comuns incluem dor no local da aplicação, fadiga e dor muscular (raramente chegando a apresentar febre), que costumar aparecer em até 24 horas e apresentar melhora em até 48 horas.

0 comentário